Accountex 2017: as tendências da contabilidade no maior evento do mundo do setor

 

Accountex 2017: as tendências da contabilidade no maior evento do mundo do setor

O Accountex 2017 chegou ao fim nesta sexta-feira, 8 de setembro, mas as contribuições do evento farão parte da vida de contadores por vários anos. Afinal, esse é o maior e mais importante evento de tendências da contabilidade no mundo. Nós, da ContaAzul, estivemos lá e, neste artigo, vamos dividir com você os principais destaques das palestras que conferimos em Boston, nos Estados Unidos.

O que é o Accountex 

É um evento completo sobre tendências contábeis. O Accountex 2017 foi realizado na cidade de americana de Boston, entre os dias 6 e 8 de setembro, reunindo em um só lugar conferências com as maiores referências em contabilidade do mundo, além de treinamentos e de uma feira de negócios.

Um dos aspectos mais marcantes do Accountex é realmente a qualidade do público que reúne. Como é um evento voltado a apresentar e debater o futuro da contabilidade, não faltaram referências no assunto. Por lá passaram contadores, consultores, conselheiros, controladores, influenciadores e expoentes de empresas de tecnologias inovadoras.

E como não poderia deixar de ser, como parceira do contador, a ContaAzul esteve representada em peso no Accountex 2017. O time, liderado pelo CEO da empresa, Vinicius Roveda, conferiu de perto todas as palestras e, agora, vai dividir as principais informações e fazer um resumo dos destaques do evento. Aproveite!

Por que ficar ligado nas tendências do Accountex 

O mercado norte-americano apresenta uma velocidade de crescimento acentuada e, visivelmente, está anos à frente do cenário de países como o Brasil. Um exemplo concreto é o que mostra o estudo Accounting Technology Ecosystem (Ecossistema de Tecnologia para Contabilidade, em tradução livre), desenvolvido pelos organizadores do Accountex.

Desde a primeira versão do levantamento, realizada em 2016, o número de soluções disponíveis para empresas de contabilidade, consultoria financeira e controladoria, entre outras, simplesmente dobrou. Hoje, são mais de 700 softwares, listados em 30 categorias.

Tamanha diversidade de soluções mostra que há muita inspiração e referência. Boa parte das tendências que despontam em mercados mais aquecidos chegam a praças como a nossa após algum tempo. Mas quem não espera e corre na frente sai em vantagem, é claro.

Exemplos disso no passado foram o crescimento de soluções online, oferecidas na nuvem — exatamente como a ContaAzul —, bem como a automatização de rotinas operacionais. Agora, temas quentes são moedas virtuais (ou criptomoedas) e suas consequências para a contabilidade e o universo de finanças empresarial.

Os principais destaques das palestras no Accountex 2017

Confira na sequência um resumo com o que de mais importante rolou no Accountex 2017. Separamos para você informações relevantes sobre o mercado internacional e as tendências que, em um futuro breve, vão chegar à sua empresa contábil. Se desejar, você pode conferir todas as palestras neste link.

De bombeiro a parceiro

Donny Shimamoto, fundador da IntrapriseTechKnowlogies LLC, apresentou uma espécie de escala da evolução do contador: onde está e onde deve chegar. É bastante interessante que você reflita sobre ela, até para que possa avaliar se precisa ou não ajustar a sua estratégia. Funciona assim:

  • O contador hoje é um helper, ou seja, atua mais como um bombeiro. Seu trabalho se concentra muito em emitir guias, calcular impostos e ajudar a empresa do cliente a cumprir suas obrigações;
  • O próximo passo nessa escala é o do contador supporter, ou seja, que oferece apoio em demandas pontuais, como planejamento tributário e análise de fluxo de caixa;
  • No cenário ideal, depois de helper e supporter, o contador assume a condição de business partner, ou seja, um verdadeiro parceiro de negócios.

Shimamoto destacou que o trabalho do contador é ajudar as pessoas a tomarem a melhor decisão. Porém, o profissional ainda pensa muito no curto prazo na relação com o cliente. Ele não o ajuda, por exemplo, a dispensar um fornecedor de menor qualidade, já que isso vai impactar no seu produto e afetar seus resultados no longo prazo.

Segundo o palestrante, limitar-se a capturar dados e fazer relatórios é estar preso na zona de conforto da contabilidade. É por isso que ele defende o que chama de modelo de maturidade helper > supporter > partner.

Novos serviços a serem prestados

Conforme o contador evolui quanto à forma como se posiciona junto ao cliente, a tendência é que possa oferecer novos serviços. Shimamoto trouxe, no Accountex 2017, também ótimas contribuições nesse sentido.

Já pensou, por exemplo, em oferecer o serviço de benchmarking ao cliente? O conceito, cabe lembrar, remete à comparação com a concorrência para identificar pontos fortes e fracos e oportunidades de crescimento.

Mas como isso se aplica ao contador? Conforme o palestrante, o benchmarking contábil parte da análise das informações do cliente em comparação com um grupo pré-determinado. Ao identificar a média do mercado, o profissional deve se perguntar como pode ajudar o cliente a tomar decisões para competir e superar os concorrentes.

Shimamoto indica que isso pode ser feito, por exemplo, para cortar custos ou reduzir riscos, para qualificar a gestão de fluxo de caixa e para o pagamento de impostos, entre outras possibilidades.

Mas como fazer isso? "Teste a hipótese em um plano piloto", recomenda ele. Vá atrás dos clientes que valorizam isso e sugira o serviço. Priorize aqueles nos quais você acha que consegue gerar o maior impacto. Também prefira aqueles com os quais cultiva um melhor relacionamento, pois podem dar uma opinião sincera sobre o valor agregado.

Um profissional contábil mais completo

A palestra de Mathew Heggem, CEO da SUM Innovation, foi enriquecedora quanto à necessidade de atualização do profissional contábil. Esse é um assunto que aparece com frequência aqui no blog, o que nos deixou contentes por reforçar o aprendizado como uma tendência.

Para Heggem, cada vez mais, o futuro do contador é o de cumprir também um papel educativo. Primeiro, ele precisa entender o básico antes de automatizar as tarefas no escritório, o que inclui clientes, processos e métricas.

Segundo, é importante que seja proativo em educar seus clientes. E o quanto antes fizer isso, melhor. É preciso lembrar que você não está falando com eles apenas sobre contabilidade, mas sobre processos e ferramentas de vendas, de marketing, de compras, entre outras.

Heggem fez uma explanação bastante focada na automatização do trabalho do contador e da sua relação com o cliente. A integração contábil, para ele, já é uma realidade. O próximo passo, então, é automatizar tarefas rotineiras para ganhar tempo em processos que ainda são repetidos manualmente.

E o recado final dele é claro: quanto mais você entender seu cliente, mais oportunidades descobrirá para gerar valor a ele.

A contabilidade da empresa contábil

Contadores gostam de dizer a seus clientes onde eles estão hoje, o que desejam para o futuro e como a contabilidade é o caminho, mas não gostam de fazer o mesmo a si próprios. É o que afirmou Gary Boomer, CEO da Boomer Consulting.

A sua palestra foi no sentido do que costumamos chamar de “dedo na ferida” aqui no Brasil. “Onde você está e onde quer estar no futuro?”, questionou ele aos contadores.

Segundo Boomer, ao menos uma vez por ano a empresa contábil deve refletir sobre o seu valor, seu mercado e seus clientes para ter uma visão de futuro. Ele entende que é necessário pensar sobre a maturidade do escritório contábil com relação a estratégias de crescimento, uso de tecnologia em nuvem, colaboração entre o time, proposição de valor, menu de serviços e processos internos.

A isso, soma-se a necessidade de possuir boas métricas. Não basta mensurar e analisar os resultados nas empresas que atende se você esquece do próprio escritório.

Entre os questionamentos que Boomer indica aos contadores para fazerem a si próprios, estão a expectativa de receita gerada por funcionário e a expectativa de lucro desejada.

Ele também foi mais um dos palestrantes a defender como tendência uma mudança de foco, substituindo os serviços de contabilidade por serviços de consultoria.

Vêm aí inteligência artificial e blockchain

Um dos pontos altos do evento foi o painel Evolução do Ecossistema de Tecnologia Contábil, que reuniu alguns dos maiores nomes do Accountex 2017 para debater o presente e o futuro da atividade.

Quanto a tendências futuras, dois pontos se destacaram: inteligência artificial e blockchain.

  • Inteligência artificial: o desafio é construir modelos preditivos para ajudar os clientes com serviços específicos, como fluxo de caixa;
  • Blockchain: o banco de dados que registra operações com a moeda virtual bitcoin se mostra como possível solução para a segurança da informação nas empresas.

O que já está em uso na contabilidade

Quanto a mudanças que já começaram a valer na contabilidade, os especialistas destacaram:

  • API: programação que permite integrações, como entre o escritório e o cliente;
  • Smartphone: utilizado como ferramenta contábil, traz agilidade no acesso e na entrada de novos dados e informações;
  • Redes sociais: permitem o engajamento em tempo real com os clientes.
  • Contabilidade em nuvem: maior mobilidade ao fluxo de informações e recebimento de feeds bancários automáticos;
  • Terceirização contábil: com a colaboração na nuvem, a profissão é democratizada e todos podem começar um negócio.

Um novo modelo de trabalho

Contador público há 20 anos, Salim Omar, da Marketing Genius, defendeu, no Accountex 2017, que os próximos 10 anos serão muito diferentes dos últimos 20 ou 30 anos. E a mudança, para ele, começa no modelo de trabalho. Veja o que ele sugere:

O antigo modelo:

  • Muitas horas de trabalho e esgotamento;
  • Não há novos clientes de qualidade;
  • Baixo lucro;
  • Profissão estressante.

O novo modelo:

  • Menos horas de trabalho;
  • Atração de clientes de qualidade;
  • Lucros bem maiores;
  • Profissão agradável.

Quer saber se o seu modelo de trabalho já está ultrapassado? Salim Omar indica três sinais:

  1. Fluxo esporádico de novos clientes;
  2. Lucro estagnado;
  3. Trabalho muito difícil.

Uma empresa contábil de 1 milhão de dólares

Melanie Power, gerente de contabilidade na Xero Austrália, causou um alvoroço no Accountex 2017 com o que chamou de "empresa revolucionária", um modelo de negócio capaz de faturar mais de 1 milhão de dólares por ano.

Nas palavras de Melanie, os pré-requisitos para isso são simples e a conta é bastante fácil. Segundo ela, o segredo está em achar o nicho de mercado e trabalhar de forma mais intensa com menos clientes. “Precisamos pensar diferente e não podemos mais ficar apenas digitando coisas”, disse ela, atacando com veemência a zona de conforto nas empresas contábeis.

A conta de Melanie é feita com base na dedicação de 25 horas de reuniões com cliente por semana:

  • Em 48 semanas, isso totaliza 1.200 horas;
  • Como cada reunião tem 2 horas, isso totaliza 600 reuniões;
  • Se você for ver os clientes trimestralmente, terá entre 150 e 120 clientes;
  • Com cada cliente, você vai faturar 10.000 dólares por ano;
  • Assim, se você tiver uma equipe de suporte, poderá gerar 1,2 milhão de dólares por ano.

O exemplo por ela apresentado é real e esse resultado foi alcançado em apenas 1 ano. Para tanto, segundo Melanie, foi preciso optar pelo modelo da empresa revolucionária.

Em vez de atender a todo o tipo de cliente, com uma cultura focada em números e tendo no dinheiro o propósito, ela defende atender apenas o tipo de cliente que oferece as melhores oportunidades.

Nesse sentido, os ganhos se tornam maiores pelo valor daquilo que oferece. A meta é transformar os negócios dos clientes por meio da cultura focada na entrega de valor e da tecnologia utilizada com o objetivo de atingir os objetivos de negócio.

A ContaAzul no Accountex 2017

Confira os vídeos de nossa equipe durante o Accountex 2017 e saiba mais sobre as tendências da contabilidade que foram debatidas no evento:

Fique de olho nas tendências

Neste artigo, apresentamos algumas das tendências em contabilidade apresentadas durante a edição do Accountex 2017, nos Estados Unidos. Como você pôde ver, não faltam perspectivas ousadas para o futuro das empresas contábeis e da própria profissão.

O recado que fica é, mais uma vez, a necessidade de se atualizar e de acompanhar as novidades. Muitas dessas mudanças já estão em andamento. Outras se tornarão realidade em breve. Um contador atento percebe aí a oportunidade de sair na frente dos demais e oferecer mais um diferencial ao mercado.

E para você, qual das novidades da Accountex 2017 chamou mais a atenção? Comente!

Quer ter acesso a
materiais gratuitos?