O que é balancete?

O balancete é uma das principais demonstrações financeiras usadas por contadores e empreendedores. Tire todas as suas dúvidas sobre balancete.

O balancete é uma das principais demonstrações financeiras usadas por contadores e empreendedores. Com ele, é possível visualizar, por meio de uma listagem, as contas contábeis com seus débitos, créditos e saldo.

Pode-se dizer que o balancete é um instrumento de controle interno e serve para analisar o estado financeiro de um negócio em determinado período, tanto de ativos e passivos, quanto de contas de resultado.

O balancete não precisa contemplar desde o primeiro até o último dia do mês, por exemplo. Esse levantamento pode ser feito em períodos diferentes, de acordo com as necessidades da organização. Ele pode ser elaborado de forma mensal, quinzenal e até mesmo diária.

Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido são grandes grupos, compostos por contas que dividem as especificidades do balancete de uma empresa. Essas contas variam amplamente por setor, e os mesmos termos podem ter implicações diferentes, dependendo da natureza do negócio.

Empresas precisam fazer balancete?

Apesar de não ser obrigatório, o balancete é muito importante para prevenir possíveis erros de crédito e débito nas contas de uma empresa. Os valores de saldos do balancete são flutuantes, ou seja, podem ser alterados a qualquer instante.

O correto é que a diferença dos ativos e passivos de uma empresa seja sempre zero, seguindo o método das partidas dobradas. Dessa forma, o total de débitos deve ser sempre igual ao total de créditos.

Como o balancete informa a posição financeira de um negócio a partir de uma data (mensal, trimestral, semestral), ele permite que alguém — como um credor — veja o que uma empresa possui e o que ela deve.

Esta é uma informação valiosa para instituições financeiras que precisam determinar se uma empresa se qualifica para créditos ou empréstimos. Outros interessados no balancete incluem os acionistas, investidores em potencial, administradores de empresas, fornecedores, clientes, concorrentes, órgãos governamentais e sindicatos.

Ou seja, com o balancete, verifica-se a capacidade da empresa de pagar por tudo o que que possui (ativos), seja utilizando dinheiro emprestado (dos passivos), seja retirando-o dos investidores (patrimônio dos acionistas).


Como utilizar o balancete

O balancete permite que os gestores monitorem a evolução das receitas e despesas. A partir dessas informações, é possível acompanhar as margens de lucros de produtos e serviços, além do cumprimento de metas financeiras.

Diante dessa visão patrimonial, os gestores podem comparar saldos apresentados com o orçamento, servindo para análise dos objetivos de negócio da empresa. A partir do resultado, é possível fixar o valor dos lucros aos acionistas ou ao empresário individual.

Também é possível determinar a base de cálculo do IRPJ e  CSLL sobre o lucro real, além de elaborar o Balanço Patrimonial e o Demonstrativo de Resultado de Exercício (DRE).

Diferença entre balanço e balancete

Ao contrário do balancete, o balanço patrimonial é obrigatório e deve ser elaborado por um profissional especializado, anualmente, ao final do exercício, em data fixada pela legislação do Imposto de Renda.

Optantes pelo Simples Nacional não estão isentos da elaboração desse demonstrativo. Apenas microempreendedores individuais (MEI) estão dispensados da obrigatoriedade da emissão do balanço patrimonial. No entanto, eles também precisam manter organizadas as suas informações financeiras, para a elaboração da Declaração Anual do MEI.

O balanço permite apurar de forma quantitativa e qualitativa o desempenho da empresa ao longo do ano, identificando se houve lucro ou prejuízo no período.

Portanto, o balancete pode ser visto como um “pré-balanço”, pois o balanço patrimonial representa o encerramento de um exercício.

Enquanto o balancete apresenta saldos nas contas de resultado, no balanço todas essas contas são zeradas e os seus saldos são transpostos contabilmente para uma conta de apuração do resultado, no Patrimônio Líquido. As contas de resultado serão apresentadas do Demonstrativo de Resultado de Exercício (DRE).

No entanto, para realizar a contabilização destes eventos, é preciso entender a classificação das contas contábeis.

Conceitos relacionados

Antes de elaborar um balancete, é fundamental conhecer os principais conceitos contábeis e entender o que cada um deles significa para o dia a dia de um negócio. Veja o que significam alguns dos principais termos e classificações:

Livros contábeis

Nos livros contábeis  ficam armazenadas todas as movimentações contábeis e financeiras de uma empresa. Existem vários  tipos de livros contábeis, como o livro diário, livro razão e livro caixa.

É a partir dos registros nos livros contábeis que são gerados os principais demonstrativos contábeis e gerenciais, como o balancete, por exemplo.

Ativo

No Ativo estão todas as contas que indicam os bens e direitos de uma empresa, tais como disponibilidades (dinheiro em caixa), imobilizados (máquinas e equipamentos), estoques (produtos acabados ou matérias-primas), contas a receber (investimentos ou duplicatas a receber), intangíveis (marcas e patentes).

Ou seja, são todos os bens e direitos que compõem o patrimônio de uma organização.

Passivo

O Passivo compreende todas as obrigações que a empresa tenha com terceiros, como financiamentos, salários, impostos, taxas, contribuições e fornecedores. Geralmente, esses registros são compromissos assumidos por um determinado período de tempo.

Patrimônio líquido

É a diferença entre Ativo e Passivo, onde constam as contas de resultados de exercícios anteriores e o Capital Social.

Receitas

As receitas são todos os ganhos da empresa. Eles podem ter origem na venda de produtos ou serviços, de receitas não operacionais, como juros recebidos, e, até mesmo, da venda de ativos.

Com o balancete, é possível identificar departamentos que geram mais receitas e os que trazem menos resultados. Além disso, após apurar o lucro, o empresário pode investir parte das receitas na compra de ativos ou expansão do negócio.

Custos

Os custos são todos os gastos destinados exclusivamente para manter as operações da empresa. Eles sempre estão ligados a gastos de produção e vinculados diretamente aos produtos e serviços do negócio.

Nessa categoria, entram a aquisição de todo tipo de matéria-prima, salários e todos os encargos da equipe de produção, manutenção de equipamentos, entre outros.

Despesas

Diferentemente dos custos, as despesas são gastos indiretos, que não estão diretamente relacionados à atividade da empresa. Uma maneira de diferenciar custos e despesas é se perguntar se ao eliminar determinado gasto as operações produtivas da empresa serão afetadas. Se a reposta for sim, o gasto é considerado um custo.

Caso a resposta seja não, o gasto é considerado como uma despesa. Pode-se citar, como exemplos de despesas, as contas de água, internet, o aluguel do prédio, os materiais de escritório.

Como vimos, o balancete é um demonstrativo extremamente importante para avaliar a saúde e o desempenho de um negócio. Além disso, com base nas informações trazidas nesse relatório, é possível traçar estratégias e qualificar a gestão da empresa.

Quer ter acesso a
materiais gratuitos?